De acordo com dados coletados em 2017 pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), 10,6% das comunicações de acidentes de trabalho (CATs) foram referentes à quedas, sendo essa a causa de 161 óbitos dos 1.111 registrados ao longo do ano.

Essas informações divulgadas pelo INSS apontam as falhas na precaução de acidentes em grande parte das empresas brasileiras.

Áreas como a construção civil, o transporte e o comércio são as que mais registram acidentes e mortes por quedas, principalmente quando envolvem a utilização de andaimes.

Estrutura montada para dar acesso a algum local alto, o andaime é muito usado em canteiros de obras pois permite que vários funcionários trabalhem em uma superfície vertical de maneira contínua.

Regulamentado pelas normas NBR 6494 e NR 18 o uso dos andaimes exige a aplicação de algumas ações preventivas que visam evitar acidentes e minimizar os riscos aos colaboradores.

A Norma Brasileira 6494 – Segurança nos Andaimes estabelece que:

  • Não se deve permitir que pessoas trabalhem em andaimes sob intempéries, tais como chuva ou vento forte;
  • Os serviços em andaimes nunca devem ser realizados por uma única pessoa. Deve haver pelo menos uma outra pessoa no local de serviço para auxiliá-la em caso de emergência;
  • Equipamentos de proteção individual, como capacetes, cinturões de segurança, outros, devem ser utilizados sempre que necessários. Estes equipamentos devem estar em bom estado e à disposição dos trabalhadores a qualquer tempo;
  • As pessoas que trabalham em andaimes suspensos a mais de 2,00 m do solo devem estar com os cinturões de segurança, com sistemas trava-quedas, ligados a um cabo de segurança, com sua extremidade superior fixada na construção, independente da estrutura do andaime.

Já a Norma Regulamentadora Nº 18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção impõe que, ao usar andaimes no ambiente de trabalho, as empresas cumpram com diretrizes como:

  • Todos os trabalhadores devem ser qualificados e receber treinamento específico para o tipo de andaime em operação;
  • É obrigatório o uso de cinto de segurança tipo paraquedista e com duplo talabarte que possua ganchos de abertura mínima de cinquenta milímetros e dupla trava;
  • As ferramentas utilizadas devem ser exclusivamente manuais e com amarração que impeça sua queda acidental;
  • Os trabalhadores devem portar crachá de identificação e qualificação, do qual conste a data de seu último exame médico ocupacional e treinamento.

Se você se interessou pelo conteúdo dessa matéria, e quer saber mais sobre segurança do trabalho, Saúde Ocupacional e outros temas relacionados, continue nos acompanhando no portal da SOB (Saúde Ocupacional Brasil).

Por Manoela Campos