Saúde mental no trabalho: a importância da medicina ocupacional

Entenda a importância da medicina ocupacional para melhorar a saúde mental do trabalho e quais as consequências desses problemas.

440

Quando falamos em saúde e segurança do trabalho, geralmente pensamos em riscos ocupacionais físicos, mecânicos ou ergonômicos. No entanto, a saúde mental também deve ser levada em consideração devido ao seu impacto no bem-estar e na qualidade de vida dos colaboradores.

A relação entre saúde e mental e trabalho é um tema cada vez mais discutido no Brasil, tendo em vista que nove em cada dez brasileiros no mercado de trabalho apresentam sintomas de ansiedade, do grau mais leve ao mais incapacitante. 

Além disso, dados da Isma-BR, representante local da International Stress Management Association, também apontam que 47% sofrem de algum nível de depressão que, em 14% dos casos, é recorrente.

Nesse cenário, de acordo com o Ministério de Saúde, os transtornos psicológicos são a terceira maior causa de afastamento dos colaboradores nas empresas ao solicitarem o auxílio-doença pelo INSS. 

Com a pandemia de coronavírus, a preocupação com o estresse, depressão, ansiedade, burnout e outros transtornos psicológicos cresceu em todo o mundo e levou as empresas a implementarem ações para minimizar os danos e impedir que estes distúrbios se agravem.

Porém, nem todas as organizações dão a atenção devida ao tema. Segundo uma pesquisa sobre saúde corporativa realizada pela TM Jobs, com gestores de Saúde e Recursos Humanos de 155 empresas de todo o país, apenas 36,7% dos participantes disseram que a instituição possui um plano estratégico de bem-estar que inclui programas de saúde mental. 

Saúde mental no trabalho como parte da medicina ocupacional

A saúde mental é muito mais do que a ausência de doenças mentais. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é um estado de bem-estar no qual o indivíduo é capaz de usar suas próprias habilidades, recuperar-se do estresse rotineiro, ser produtivo e contribuir com a sua comunidade.

Essas questões têm um impacto direto no ambiente de trabalho, levando à perda de produtividade, absenteísmo, presenteísmo, afastamentos e até aposentadoria precoce. 

Assim, as organizações com altos índices de turnover podem afastar outros trabalhadores e prejudicar sua imagem no mercado, além da redução do desempenho e resultados.

Segundo a OMS, as principais causas de estresse associado ao trabalho são situações de competição, mas a falta de comunicação entre as pessoas, a submissão a chefias autoritárias, a exigência crescente de produtividade, o aumento no ritmo de trabalho e o assédio moral também podem causar danos mentais.

A principal forma de enfrentamento a esses problemas é a prevenção, tornando a saúde mental um tema abordado com frequência no ambiente de trabalho.

Assim, a recomendação da OMS é que as empresas e os gestores procurem identificar e modificar os fatores que geram estresse no trabalho, bem como analisar o clima organizacional de forma a perceber as necessidades pessoais dos colaboradores.

Estes, por sua vez, também devem ser orientados a reconhecer sinais de depressão e outros transtornos psicológicos nos colegas. Entre eles estão a falta de motivação, perda de interesse em atividades que antes traziam prazer, falta de esperança no futuro, modificações de apetite e hábitos de sono.

Outro ponto importante para a promoção da saúde mental é as empresas facilitarem o acesso a profissionais de modo que os colaboradores busquem ajuda quando necessário.

Em tempos de pandemia e transição para o trabalho remoto, a comunicação da saúde ocupacional é ainda mais importante e deve ser feita de maneira acessível e eficiente, com a realização de ações preventivas em parceria com psicólogos e psiquiatras.

Além disso, é importante criar um ambiente de confiança entre o setor de saúde ocupacional, os gestores e colaboradores, de forma que todos os trabalhadores sintam-se confortáveis para compartilhar suas questões emocionais e receber ajuda.

A saúde mental no trabalho deve ser parte da medicina ocupacional das empresas, assim como outras ações de prevenção a riscos físicos e ocupacionais. Se a sua empresa busca profissionais capacitados na área, conheça o SOBfy e fique por dentro das novidades aqui no Saúde Ocupacional Brasil.