Movimentos repetitivos, estrutura de trabalho inadequada, estresse e tensão são algumas das principais causas das Lesões por Esforço Repetitivo (LER), também conhecidas como Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). 

LER e DORT não são consideradas propriamente uma doença, mas uma síndrome constituída por um grupo de doenças que afeta músculos, tendões e nervos, principalmente dos membros superiores, e sobrecarrega o sistema musculoesquelético.

Segundo o estudo Saúde Brasil 2018, do Ministério da Saúde, estas são as doenças que mais afetam os trabalhadores brasileiros, tendo crescido 184% entre os anos de 2007 e 2016. 

Os dados mostram ainda que, no mesmo período, esses problemas foram mais recorrentes em mulheres (51,7%), entre 40 e 49 anos (33,6%), e em indivíduos com ensino médio completo (32,7%).

As lesões por esforço repetitivo envolvem mecanismos de agressão que incluem esforços de repetição e outros mecanismos relacionados a algumas atividades de trabalho, desde postura inadequada até trabalho com vibração. 

Com isso, causam ao corpo humano uma série de problemas que poderiam ser evitados e podem levar até mesmo ao afastamento do trabalho. 

As afecções que causam LER ou DORT variam em intensidade e podem se manifestar de diversas formas, sendo causadas, desencadeadas ou agravadas por fatores ocupacionais. São elas:

  • Tendinite;
  • Tenossinovite;
  • Bursite;
  • Epicondilite;
  • Síndrome do túnel do carpo;
  • Dedo em gatilho;
  • Síndrome do desfiladeiro torácico;
  • Síndrome do pronador redondo;
  • Mialgias;
  • Entre outras.

Diferença entre LER e DORT

A diferença entre LER e DORT é que a segunda sigla foi introduzida para substituir a primeira porque nem sempre os trabalhadores com sintomas no sistema musculoesquelético apresentam evidências de lesão, utilizando-se, então, o termo “distúrbios”.

Além disso, existem outros tipos de sobrecargas no trabalho que são diferentes do esforço repetitivo e também podem ser nocivas ao trabalhador, como excesso de força usada para execução de tarefas, posturas inadequadas, uso de contração muscular por períodos prolongados e uso de instrumentos que transmitem vibração excessiva, por exemplo.

Principais causas de lesões e distúrbios por fatores ocupacionais

Alguns fatores ocupacionais que contribuem para o surgimento das doenças e lesões são:

  • Ritmo de trabalho intenso;
  • Movimentos repetitivos;
  • Móveis e equipamentos que causam postura inadequada;
  • Falta de tempo para exercícios;
  • Exposição a temperaturas intensas;
  • Exposição a vibrações excessivas;
  • Cobrança intensa por produtividade;
  • Doenças crônicas preexistentes;
  • Condições psicológicas desfavoráveis.

Em geral, os locais mais atingidos variam de acordo com a função executada e as condições específicas de cada trabalhador, mas a região cervical, região lombar, joelhos, ombros, cotovelos, mãos e punhos costumam ser os mais comprometidos.

Sintomas de LER e DORT

Os sintomas também podem variar de pessoa para pessoa, tipo de atividade e forma como é executada, e costumam surgir lentamente, tanto isolados quanto em conjunto. 

Em geral, podem se intensificar com o tempo e causar dificuldades na realização do trabalho ou mesmo em trabalhos domésticos, higiene pessoal e alimentação, nos casos mais graves.

Os principais sintomas são:

  • Dores nos membros superiores;
  • Dores nos dedos e dificuldade para movimentá-los;
  • Formigamento;
  • Fadiga muscular;
  • Alteração da temperatura;
  • Alteração da sensibilidade;
  • Redução na amplitude do movimento;
  • Inchaço;
  • Inflamação.

Diagnóstico e prevenção

A ansiedade, depressão e outros distúrbios psicológicos também podem influenciar e até mesmo intensificar as doenças ocupacionais, pois geram tensão e dores musculares. 

Por isso, para realizar o diagnóstico correto, é importante que o trabalhador consulte um médio especializado e, se possível, passe por uma avaliação multidisciplinar.

Isso acontece porque um médico do trabalho poderá ajudar a identificar os fatores ocupacionais que estão causando o comprometimento das estruturas musculoesqueléticas, como postura incorreta ou ambiente inadequado, e dar as orientações adequadas a cada caso.

Além disso, tanto o tratamento quanto a prevenção dependem da aplicação da ergonomia, a ciência que estabelece um conjunto de regras e procedimentos que visam cuidar da saúde do trabalhador dentro e fora do ambiente de trabalho.

Algumas recomendações para prevenir as lesões e distúrbios por fatores ocupacionais são:

  • Enquanto estiver trabalhando sentado, procure manter as costas eretas, apoiadas em um encosto confortável, com os ombros relaxados e os punhos retos;
  • Levante-se a cada hora, pelo menos, para fazer alongamentos e andar;
  • Mantenha o controle de ruídos, iluminação, temperatura e outros fatores externos que possam prejudicar a saúde dos profissionais;
  • Evite permanecer muito tempo na mesma posição ou realizando movimentos repetitivos;
  • Controle seu ritmo de trabalho de acordo com as necessidades do seu corpo;
  • Use equipamentos e móveis ergonômicos e adequados para a função exercida;
  • Tenha uma alimentação saudável e pratique exercícios físicos dentro e fora do ambiente de trabalho.

É importante ressaltar que essas doenças não ocorrem apenas no trabalho e as pessoas que usam o computador por lazer durante horas a fio também estão sujeitas a desenvolver dores e distúrbios prejudiciais ao corpo.

No ambiente de trabalho, a prevenção das LER e DORT consiste em uma série de medidas que devem ser tomadas pela empresa e pelo trabalhador para eliminar os fatores preestabelecidos e organizar o espaço de forma a promover a saúde de todos.

Nesse sentido, promover a saúde do trabalho ajuda a aumentar a produtividade e melhorar a qualidade de vida de todos os colaboradores. Para saber mais sobre saúde ocupacional, leis trabalhistas e muito mais, continue acompanhando nosso portal de notícias.