A deficiência perante o mercado já foi tema aqui no nosso blog. Na matéria Como garantir acessibilidade no ambiente de trabalho, você acompanhou dicas de adequação do espaço laboral com o intuito de melhorar o acesso de PcDs (Pessoas com Deficiências) à todas as dependências da empresa.

Agora, iremos abordar outro assunto relevante para o atual contexto do país: a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

Segundo pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mais de 45 milhões de brasileiros possuem algum tipo de deficiência, número que representa cerca de 24% da população do país.

Desses 45 milhões, menos de 1% estão formalmente empregados, ou seja, apenas 403.255 brasileiros com deficiência estão atuantes no mercado de trabalho e devidamente inseridos na sociedade.

De acordo com a Lei de Cotas (Lei Nº 8.213/1991), vigente desde julho de 1991, empresas com mais de 100 funcionários devem destinar uma parcela de seus cargos à PcDs. Essa fração, entretanto, pode variar de 2% a 5%, dependendo da quantidade de colaboradores atuantes na empresa.

Já a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, instaurada em julho de 2015, busca “assegurar e promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania” (Lei Nº 13.146/2015).

Mas, mesmo com a existência de leis, incentivos e demais obrigatoriedades legais, o número de PcDs inseridos no mercado de trabalho ainda é considerado baixo. É preciso que mais empresários e gestores reconheçam o potencial desses profissionais.

As PcDs, assim como qualquer outro trabalhador, são totalmente habilitadas para assumir cargos de diferentes habilidades dentro de uma empresa de qualquer porte. Porém, essa falta de abertura para esses profissionais reflete o preconceito que ainda existe por parte dos contratantes.

Inserir as pessoas com qualquer tipo de deficiência no mercado de trabalho é mais do que apenas fornecer uma renda mensal, significa que a empresa tem consciência da importância de seu papel na sociedade, permitindo assim que a PcD exerça de forma digna seu papel de cidadã.

Quer saber mais? Então continue acompanhando o portal de notícias da SOB (Saúde Ocupacional Brasil).

Por Manoela Campos