Falta de equipamentos de segurança – além do descuido e até mesmo exaustão – provocam cerca de 700 mil acidentes de trabalho por ano em todo o país. Em vista disso, o Brasil é a quarta nação no mundo que mais registra acidentes em atividades laborais – ficando atrás apenas da China, Índia e Indonésia.

Devido ao afastamento de funcionários que se feriram durante o trabalho, a economia brasileira já sofreu um impacto de 22 bilhões de reais nos cofres, desde 2012. Esses dados, que são da Previdência Social e do Ministério do Trabalho, revelam a seriedade do problema que afeta diariamente trabalhadores de inúmeras esferas profissionais.

Por lei, as empresas são obrigadas a garantir a segurança de seus empregados, mas cabe a eles também informar a ausência de equipamentos adequados para situações perigosas. E você, sabe quais são os equipamentos fundamentais para o exercício de sua profissão?

EPI x EPC: qual a diferença?

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) – são dispositivos ou acessórios para uso pessoal, destinado à proteção do trabalhador contra riscos à sua saúde e integridade física, que devem ser oferecidos gratuitamente em perfeito estado de conservação e funcionamento pela instituição. Diante da grande variedade de EPI’S, podemos citar alguns como:

  • Proteção da cabeça: capacete, capuz, balaclava.
  • Proteção dos olhos e face: óculos, máscaras, viseiras.
  • Proteção auditiva: protetores auriculares, abafadores.
  • Proteção respiratória: respirador, máscaras, filtros.
  • Proteção do tronco: coletes, macacões.
  • Proteção dos membros superiores: luvas de segurança, braçadeiras.
  • Proteção dos membros inferiores: botas, calças.

Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) – são itens fixos ou móveis, instalados no ambiente de trabalho para garantir a segurança do coletivo. Isto é, com apenas um equipamento, inúmeros trabalhadores da empresa são assegurados. Entre os EPC’S, encontram-se:

  • Placas de sinalização.
  • Cones
  • Correntes ou faixas de segurança.
  • Sirenes, alarmes e alertas luminosos em empilhadeiras.
  • Grades de contenção.
  • Barreiras contra a luminosidade ou radiação.
  • Bloqueios tipo cadeado e garra, para impedir o religamento de máquinas durante sua manutenção.
  • Sistema de ventilação e exaustão.

Apenas adquirir os EPI’S e EPC’S não irá garantir a integridade física e saúde dos funcionários. Portanto, a companhia ainda necessita orientá-los sobre os usos e conservação deles, além de ajustar os equipamentos de proteção individual para cada funcionário.

Para mais informações sobre medidas de segurança em empresas e indústrias, confira nosso blog.

Por Lana Gillies